domingo, outubro 30, 2011

Jubilosa Paz



A paz no mundo é possível sim,
Desde que primeiramente,
Conscientemente,
Cuidemos do jardim
Que habita no nosso interior,
Deixando brotar no coração,
O lírio branco do amor.

Exalar sentimentos nobres,
Como compreensão... Perdão...
Gratidão... Independentemente de cor,
Raça, credo, religião.
Dar as mãos... Abraçar nossos irmãos...
Doar... Cooperar... Compartilhar...
Trabalhando contra as desigualdades
E mazelas sociais.

Além de tudo isso e de um mundo
Sem guerras e conflitos,
A paz que o mundo precisa
Deve transcender realmente do
Íntimo de cada um,
de dentro para fora.

Assim ela deixará de ser uma simples
E leve brisa passageira,
Ultrapassando a efemeridade,
Tornando-se eterna realidade...
A tão doce e jubilosa Paz.

-**-Elias Akhenaton-**-




sábado, outubro 29, 2011

Brisa perfumada



No raio da estrela d’alva matutina,
Uma brisa fina perfumada adentra
A janela afagando suavemente
Meu rosto...
É o doce perfume das flores
Que exala da coroa da
Bela princesa primavera.”

-**-Elias Akhenaton-**-

Vem com carinho...


Se me queres...
Vem com carinho.
Sou beija-flor passarinho,
Um poeta menino,
Amante dos finos tratos,
Dos sentimentos nobres que se
Eternizam no coração,
Onde o tempo não apaga.
Se vieres com jeitinho,
Prometo dar-te minha
Maior emoção...
Serás p’ra sempre
Minha eterna inspiração.”

-**-Elias Akhenaton-**-

domingo, outubro 16, 2011

Viver com você


"Viver com você, estar com você
É sentir a brisa do mar
Tocando a pele suavemente...
É encantar-se com o céu estelar
Numa bela noite de luar.
Estar com você,
É sentir o frescor das manhãs
Vindo das altas colinas...
É banhar-se pelos raios benéficos
Do sol matutino...
Viver com você, enfim,
É navegar numa cascata de
Nobres emoções...
Não saberia viver sem você,
Pois és do meu peito, minha
Sagrada fonte de inspiração,
Minha razão!"

-**-Elias Akhenaton-**-

quarta-feira, outubro 12, 2011

Tuareg


Na areia dourada do Saara,
Ele cumpre à sua missão.
Vai decifrando às miragens,
Dunas se formam na imensidão.

Nada consegue lhe deter.
Sob o sol escaldante do céu,
Galopa firme em seu camelo,
O guerreiro do turbante, do véu...

Ambos azuis, da cor do céu,
Os quais lhe dão à proteção.
Nas caravanas pelo deserto, 
Caminha com fé e devoção.

Depois de muito caminhar,
Já sob a luz prateada do luar,
Saciam a sede num belo oásis.
Na flauta; uma prece a Allāh...

O acampamento vai chegar,
Reinicia confiante à sua trilha.
O tempo pra ele é um tesouro,
Valente e incansável Mouro.

-**-Elias Akhenaton-**-