segunda-feira, fevereiro 20, 2012

Expressões d'alma > Auto-retrato




















Nos versos que brotam do peito
Que deixo fluir neste instante,
Retratam com sinceridade
Todas as minhas emoções.

Não estranhem meu jeito de poetar,
Dos sentimentos que me ponho a falar,
Da diversidade dos temas,
Da poesia, do poema,
São expressões d’alma,
Exteriorizadas no ar.

Às vezes com toque de suavidade,
Delicadeza e o perfume das flores,
Palavras de amor,
De paixão, sedução.

Em outras, palavras de conforto
E esperança que encorajam a caminhada
De um eterno aprendiz na sublime
E sagrada jornada.

Mas como ser humano tenho
Minhas fraquezas e imperfeições.
Quem não as tem?

Em alguns momentos brotam tristezas,
Versos que sangram o coração.
São relatos de noites mal dormidas
Onde somente escuto os uivos dos chacais,
Trovões e temporais
Que se fundem com meus ais.

Mas eis que surge a luz
Em toda sua beleza e força.
Um novo dia resplandece
E floresce noutro sentimento,
Eis o momento da transmutação,
É chegada a hora da alquimia,
Tracejar outros versos de uma
Nova e eterna poesia.

-**-Elias Akhenaton-**-


2 comentários:

  1. A borboleta azul
    fica confusa
    meio sem fuso
    se fere um pouco
    ao quebrar o casulo
    ainda nem é azul
    não bebeu o néctar
    do amanhecer
    nem as flores do jardim
    mas agora vai voar
    no resplandecer
    e vai ser a borboleta
    azul
    nesse novo alvorecer.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do seu blog. Agradeço também sua visita no meu. Seja sempre bem vindo.
    Parabéns pelo seu trabalho!
    MFrangelli amorlogiapelapazeevolucaohumana.blogspot.com

    ResponderExcluir